patinação

Loading...

domingo, 21 de março de 2010

Federação Gaúcha de Patinagem em 1992 organiza o 1º Festival Gaúcho de Patinação

CONTINUANDO UM POUCO DE NOSSA HISTÓRIA ESPORTIVA E ARTÍSTICA
REVISTA PANORAMA ESPORTIVO - Porto Alegre Julho/Agosto 1992 - nº11

Iº Festival de Patinação: Um espetáculo inesquecível

Um show de técnica, habilidade, luz e cores marcaram o Iº Festival Gaúcho de Patinagem realizado nos dias 1 e 2 de agosto último no ginásio da Sociedade Ginástica de Novo Hamburgo.
Doze clubes se apresentaram para um público nas duas noites de 6 mil pessoas que superlotaram as arquibancadas do Ginásio, apesar de muito frio.
O público acompanhou atento o desempenho dos patinadores, participando com aplausos a cada apresentação. A abertura do espetáculo com hino e a apresentação de 350 patinadores dos clubes convidados ocuparam suas posições na quadra depois de ouvido o hino nacional.
Num momento de muita emoção falaram o Presidente da Federação e da Sociedade Ginástica, homenagem aos organizadores do evento, muitas flores e várias mensagens de agradecimentos.
Em seguida foi iniciada a apresentação com o Colégio Dom Bosco com sua representação de Bem Vindos aos Cabaret com coordenação de João Carlos Tisbierek e coreografia de Vera Stribel. As apresentações foram seguidas da AABB com New York, a ARVA de Venâncio Aires também marcou presença, a escola Maria Goretti com a coordenação de Janice, apresentou Saudações a Broadway e os primeiros colocados ficaram neste grupo para: 1º Colocado a escola Rotelle com coreografia de Marcelo Coelho e Nelise Tavares com Folies on Parade e 2º Colocado foi a Sociedade Ginástica com Do Gatsby on Jazz com coordenação de Silvana e Prof. Samburgo.
Depois veio a modalidade livre Feminino Nível I com as seguintes equipes Um Sonho Infantil (Madre Bárbara), With e lot of Energy (Maria Goretti). Bailarina mas não tanto (Rotelle), A dama de ouro (Patins Sul), Sinceramente (Sociedade Ginástica), Lisa Simpson (Dom Bosco), Solo (Clube de Pat.). Sendo que o 1º lugar foi colocado Lisa Simpson com apresentação de Giuliana Korzenowsi. Sendo que a cada equipe de patinadores que entravam em cena o público vibrava e pedia mais e na medida em que a noite avançava entravam o Grupo II com 3 escolas participavam No Reino da Valsa da Sociedade Ginástica ficou com a primeira colocação.
Na medida em que o público vibrava mais vieram as duplas de dança artística com 5 concorrentes com o Dom Bosco Mario Meneguetti e Ursula Aner e no 2º Lugar ficou com a dupla da Rotelle Marcelo Coelho e Nelise Tavares, e o 3º lugar ficou com a dupla da Ginástica com Libestraum com André Luiz da Silva e Sabrina Diestmann. E no final da para encerrar vieram os concorrentes nas mini-produções sendo que os primeiros colocados foram Dom Bosco com Fantasias em Terras Frias, 2º lugar para a Sociedade Ginástica com Patrulha Cossaca, e 3º lugar para SUCI com Estrela sob a coordenação da Jane.
Na noite de domingo o público, repetiu e superlotou a casa com 3 mil pessoas e com lindo jogo de luzes abriram as cortinas para a segunda noite de espetáculo com as duplas mistas com três apresentações: Paixão com Marcelo e Nelise Tavares da Rotelle, A Bela e a Fera (Felipe Tisbirek e Michele Zanini da Dom Bosco), e com Emoções da Ginástica (André da Silva e Daniela Ali Odes). Sendo que o primeiro lugar ficou com Marcelo Coelho/Nelise Tavares a o 2º lugar para André Luiz/Daniela Odes da Ginástica de NH.
E enquanto a noite ficava fria lá fora e quente dentro do Ginásio, a temperatura esquentava com as mini-produções II com o Dom Bosco, Ginástica, sendo que o primeiro lugar ficou para o Dom Bosco com "Um Romance Espanhol”.
As partes mais lindas da noite chegaram com livre feminino nível II a com as produções. No livre feminino com participações da ARVA Solo de Claudia Um Doce Momento com a escola Madre Bárbara, A pequena Sereia da Entre Rodas, com Bibiana Demzuk, Uma noite em Chicago, Dom Bosco com Luciana Grassi. A Rotelle apresentou Le Jazz Hot com Nelise Tavares a Esplendor, da Maria Goretti com Roberta Bassegio. A sociedade Ginástica apresentou Memory com Ana Paola Oliveira e a Patins Sul com a coordenação de Maria Regina Kaffer com Sorriso e Encanto Sobre Rodas.
No final, vieram as grandes produções com 8 apresentações que davam água na boca de grandes escolas de "Patinação" com inúmeros figurinos veio a parte mais linda da noite com a abertura de Clube de patinação Acima das Nuvens com Concorde (clube de Patinação),

Pag. 30 - Panorama Esportivo

domingo, 14 de março de 2010

GRANDE ENTUSIATA PROF. SALVADOR SAMBURGO


Esta foi a reportagem deste grande entusiata da patinação, Prof. Salvador Samburgo, que em 1992 como vice-presidente da Federação Gaúcha de Patinagem deu a revista PANORAMA ESPORTIVO, uma revista gaúcha que publicou uma série de reportagens sobre a Patinação no Rio Grande do Sul e diversos outros temas pertinentes ao nosso esporte.

O que é patinação

artística de show e a competitiva


Em principio não se poderia fazer uma comparação entre a Patinação Artística Européia e Americana com a Sul America­na. Incontestáveis diferenças Educacionais, Sociais, Mentais, como de Antecedentes Históricos, onde se inclui teoria e ensinos práticos mais profundos e de maior antiguidade, que nos dão base do início a continui­dade do esporte. Pedagógica e psicolo­gicamente falando, as experiências de Patinação Artística Sobre Rodas, não pode ser expressa num sistema ou tratado cientifi­co, ou como conjunto de ações casuais.

A Patinação Artística Sobre Rodas é, e deve ser um trabalho realizado e transmiti­do gradualmente, prolongando-se no tempo.

e distância, cuja forma ou estrutura é unitária e global, cercadas de existências permanentes, facilmente identificadas. É, também, uma grande expressão dentro do "Esporte-­Arte" e Educativo. Ela é constituída e for­mada por pessoas que vivem e vivenciaram a patinagem e pelas comunidades por elas formadas.

A arte de Patinação Artística é uma realidade que deve ser assumida com consciên­cia e continuidade e, mais que nada, com espírito de fidelidade criativa e dinâmica. A conveniência social e cultural de organizar legalmente os cursos de Patinação Artística Sobre Rodas, parecem evidentes. Social­mente, trata-se de um Esporte-Arte, que já existe em nosso país a vários anos (quase 60), com tendências rápidas de expressão,. em virtude do próprio desenvolvimento do país, que repercutiu no andamento de todos os esportes e de todas as manifestações artísticas em geral.

No poderíamos continuar, sem dizer que a Patinação Artística está aprovada pelo MEC (Processo No. 16400/75), desde o ano de 1976, é igual quase que em todo mundo, como matéria profissionalizante. Cultural­mente, trata-se de uma arte antiga reunindo Esporte, Música, Dança, Teatro, Plástica, etc, num só espetáculo. É uma grande gama infinita não só de possibilidades criadoras que podem exprimir, não só o pensamento humano, mas todas as gradações da cultura de um povo, desde as mais ingênuas e espontâneas, até as mais nobres e elevadas.

Por estas e muitas razões mais, julgo oportuno completar o elenco do ensino deste esporte e das artes, regulamentando-se os ensinamentos da Patinação Artística Sobre Rodas nas escolas primárias, secundárias e universitárias. Nas Escolas e Academias de Patinação Artística e nas de Dança, as matérias especificas de música, teatro, artes plás ti­cas, etc.

No Brasil, irá precisar-se de forma cres­cente de professores de patinação artística sobre rodas, seja a nível de Entretenimento, Show ou Campeonatos, para suas ativi­dades educativas, destinadas a infância e a juventude, a fim de desenvolver a físico, cultivar o ritmo e a harmonia e, também para despertar a participação conjunta, o sentimento de solidariedade social e base de vida democrática.

Devemos considerar na Patinação Artísti­ca Sobre Rodas, situações bem diversas, assim como se fez com o ensino da Música, Dança e Teatro. Fundamentalmente, este " Esporte-Arte" pode ser ensinado como parte da educação geral e como ensino profission­al (como se está realizando em várias instituiçôes do país). Com estes princípios será possível visualizar revelações de vocação que poderiam ser incentivadas a continuar.

E a coleta de elementos, que existe nos Esportes e na Arte, com uma importância fundamental, devendo-se ser intencionalmente tentado. A Patinação Artística Sobre Rodas é a linguagem das formas, é um meio de expressão tão difícil que se presta a todas as intenções do coreógrafo, sem impor jamais nenhum esboço, nenhuma maneira de sentir.

E a dança em esta do puro, prazer refinado de uma geometria no espaço e o Ballet de Action, Comédia ou Tragédia , onde a dança

se combina com a música, a legenda, o exatismo, o humor, sem que a inspiração primordial seja tomada fora dela. E isto é o essencial, a Dança Sobre Patins de Rodas

uma Arte em si e subordiná-la a segundas intenções seria equivocar-se.

Professor Salvador Samburgo

Psicólogo e Pedagogo

Professor da Sociedade Ginástica Novo Hamburgo

29 Vice-Presidente da Federação Gaúcha de Patinagem

Professor Superior de Dança e Patinação Artística

Coreógrafo e Cenógrafo

Diretor A.P. e Dança Samburgo LTDA


Panorama Esportivo




domingo, 7 de março de 2010

A História Continua - Este é o ano de 1975 - Iº Campeonato Brasileiro de Patinação Artística

6 DE MAIO DE 1975
FOLHA DA TARDE - PÁG. 33
(conteúdo histórico)

0 Iº Campeonato Brasiteiro de Patinação, instituido

pela CBD este ano, começa esta semana, no Rio.
O Rio Grande do Sul estará participando com sete patinadores e muita chance.

Há cerca de 30 anos, a patinação, especialmente o hóquei sobre patins, era um esporte bastante difundido no Rio Grande do Sul, levando público considerável aos ginásios para apreciar as exibições. Entretanto, o entusiasmo passou e a patinação sofreu um descrédito brusco até desaparecer completamente do Estado.
Mas desde agosto de 1973 - após uma pesquisa de interesse e verificando que grande número de pessoas voltavam a praticar a patinação - foi fundada a Federação Gaúcha de Patinagem que tem na presidência, Eugênio Gewehr.
Atualmente, quase dez mil praticantes são encontrados em clubes e colégios, tanto de Porto Alegre como no interior, número considerável para insentivar novamente este esporte no Rio Grande do Sul.
Amanhã e quinta-feira, será disputado no Rio, o Iº Campeonato Brasileiro de Patinação Artística, o que vem comprovar a aceitação deste esporte na maioria dos Estados.
O Rio Grande do Sul estará participando com sete patinadores, cinco são alunos do Colégio Champagnat e da PUCRS e dois pertencem ao Colégio Medianeira de Erexim.
Os gaúchos são Olga Maria Bochi de Aguiar, Leandro Nogueira Dias, Ingo Raul Hoffmann, Ana Cristina Reveilleau e Mariane Martins Rembold, todos do Clube de Patinadores Tangarás e
Valmor Luis Roesler e Nelvia Mello Vianna, de Erexim.
Para o presidente da Federação Gaúcha, existem boas possibilidades dos patinadores gaúchos obterem classificação entre os primeiros lugares, principalmente porque estão treinando intensivamente para este fim.
Explicando detalhes sobre o funcionamento da patinação, Gewehr revelou que ela está dividida em três partes: as corridas naturais sobre os patins, o hoquei sobre patins, que é jogado, com a bola, tacos e goleiras, tudo em dimensões adquadas, e a terceira é a patinação artística, onde os participantes fazem um "show" bonito que é mesmo tampo arriscado.
Enquanto a maioria dos esportes amadores não conseguem se manter por causa das dificuldades financeiras, a patinação não sofre estes problemas, pelo menos para manter-se em funcionamento.
O presidente explica que, principalmente em Porto Alegre, não há problemas de material que é a parte dispentiosa deste esporte, porque são feitos "shows" beneficinetes que cobrem estas despesas. Gewehr:
- Realmente, não temos qualquer dificuldade com aparelhamentos. Temos uma iluminação excelente, muito cara e que é indispensavel para qualquer apresentação artística. São conhecidos como holofotes (canhões de iluminação assim chamados devido a potência), de arco-voltaico, os mesmos que são usados para projeções cinematográficas. Nossas mesas de comando são feitas conforme o modelo e as vestimentas são de muito luxo.
"Com todo este material à nossa disposição podemos fazer "shows" beneficientes - afirma Gewehr - cujos lucros revertem a matutenção do esporte em si, além de podermos pagar o colégio para os integrantes dos "shows".
Em Porto Alegre, existem três grupos oficiais e o Clube de Patinadores Tangarás é o mais famoso, pelas apresentações constantes que vem fazendo. Ele é formado por alunos do Colégio Champagnat e da PUCRS. O Grêmio Futebol Porto Alegrense e o Colégio Dom Bosco, também possuem um departamento de patinação.
No interior, o destaque fica para Erexim que vem mantendo a patinação na Associação Atlética Nossa Senhora da Medianeira. Santa Cruz do Sul também se manisfestou junto a Federação, com interesse de reiniciar suas atividades da patinação.